mediumpinterestinstagram

Não se nasce mulher

Não se nasce mulher, torna-se (Simone de Beauvoir).

Não se nasce mulher, é o meio em que estamos inseridas que nos torna mulher.

Uma a cada cinco mulheres relata que já sofreram estupro em algum momento da sua vida.

A cada 5 mulheres, uma já foi estuprada.

Feliz dia do homem!

Um, a cada 71 homens já foram estuprados.

De cada 71 homens, um já foi estuprado.

5 contra 71.

61% dos maridos dão mais trabalho do que ajudam em casa.

Amélia, qual é? Pede um tempo!

98% das mulheres tem jornada dupla (trabalho e casa), dessas, só 28% tem a ajuda dos maridos no serviço doméstico.

Entre os homens casados, só 5% assumiram que ajudam lavando a pia, 5% ajuda lavando a casa e só 1% lava roupa.

“Se não queria, não se vestisse daquele jeito”

“Mas antes elx estava a fim”

“Ajoelhou, tem que rezar”

“Se a mulher se comportasse haveria menos estupros”

“Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”.

“Tem mulher que é pra casar, tem mulher que é pra cama”.

“Em briga de marido e mulher não se mete a colher”.

Não se nasce mulher, torna-se (Simone de Beauvoir).

Não se nasce mulher, é o meio em que estamos inseridas que nos torna mulher.

O nosso meio nos transforma em prestadoras de serviço doméstico para homens, parideiras, bonequinhas de luxo, escravas sexuais, bicha estranha da favela, traveco, preta preterida, lésbica fetiche….

Não se nasce mulher.

Torna-se mulher!

Torna-se mulher quando arrancamos as nossas amarras de comportamento.

Torna-se mulher quando percebemos nossa força, nossa feminilidade, nossa deusa.

Torna-se mulher quando percebemos que muito não nos foi dito, muito nos foi calado, podado, moldado.

Torna-se mulher quando percebemos o patriarcado, quando você descobre que seu marido pode fazer vasectomia e você precisa da autorização dele ou do seu pai para ligar as SUAS trompas.

Infelizmente muitas de nós só percebem a força de ser uma mulher da maneira mais difícil: através de abusos, restrições e solidão.

Não se nasce mulher, torna-se mulher! E a gente se torna mulher mesmo diante de tanta falta de informação, mesmo diante de tanta revista “feminina” que só fala de assuntos como “fique bonita para ele”, “emagreça e salve seu casamento”, “coisas que o homem adoraria que você soubesse”, “que roupa você pode usar com 30, 40 e 50 anos”, “maridos e filhos e casinha de boneca”.

A gente se torna mulher, uma super mulher quando desenvolvemos empatia pelos problemas umas das outras e nos abraçamos.

A gente se torna super mulher quando começamos a perceber que essa caminhada só vale a pena se formos juntas!

A hora de virar o jogo chegou, um abraço!

women_power_Clipart_Free

 

Em cada passo dado em cada passo eu venci eu corri. Deixei medos de lado em cada passo eu vivi eu vi que só quem vive no corre entende, só quem vive do corre sente.

Mas que pena, só agora viu que bela aberração?

É muito tarde, macho alfa
Eu não soul pro teu bico
Não

Por aqui a gente fez uma campanha junto com a Nephew clothing dessa camiseta das fotos. 100% da renda de venda dessa camiseta será destinada para a Casa de referência da mulher Tina Martins aqui em BH, com um valor simbólico de 49,90 neste link aqui na cor preta e neste link aqui na cor branca.

cartoes-para-o-dia-das-mulheres2

beijos cafonas!

 

Fotografias: Barbara Bhering

Que roupinha linda ein gata! (edição carnaval 2017)

 

Ps: o post contém som, é só clicar no play ali em cima no canto direito…

.

.

.

.

.

Dotada da falta de habilidade para criar fantasias me especializei em uma área: achar quem faça. E foi vendo tanta coisa linda na minha timeline que senti vontade de fazer um post, veja que lindo, o post de recomeço é sobre carnaval <3

nhooo

Vamos aos achados:

DERCY

Dercy

Dercy é Jardina rules por isso vem em primeiro lugar.

As peças estão puro glamour assim como todo conceitos de imagem que as meninas criaram, vale conferir tudo aqui.

Base: Belo Horizonte

negocada

Negoçada

Eu não achei a logo das meninas, sorry. O que achei foi o release lindo que Renata Alves me mandou contando sobre a marca: feminista, emponderada, váaaaaarios ovários na cara de geral.

Eu gosto.

Base: Rio de Janeiro

karola

Karola

Muitos maiôs halográficos e roupas de sereia, a facilidade é que vende na Mooca, ali na Savassi,  junto de outros artistas o que aumenta o garimpo.

Base; Belo Horizonte

 

siricutico

Siricutico no carnaval

A siricutico tá mais timidazinha, só ali no Instagram mas vale olhar as peças <3

Base: Belo Horizonte

quemderaser

Quem Dera Ser

Tem acessório e roupa, ótima tacada pra quem quer fazer a feira de uma vez.

Base: Belo Horizonte

led

LED

A Led é amorzinho meu e acho que isso já conta por tudo, kelas. Além disso tem short, maiô, top com tecidos bem carnavalesco, frases de emponderamento com foco nas mina, nas mona, nas miga, nas bicha e shape sem gênero <3

Base: Belo Horizonte

Migxs, peço eu que se liguem no problema ambiental que o glitter causa e se atentem neste post da equipe Modices aqui. Oks?

Espero que gostem

Oi mundo.

Devo explicações por ter sumido? Se devo cá estou eu me explicando.

O blog mudou, eu mudei também é claro. Sempre mudo e se eu não puder mudar o blog junto comigo não faz o menor sentido manter-lo. É por isso que escrevo hoje, pra contar a quem se interessa que irei mante-lo.

Nunca escondi que criei o desafetada para ganhar dinheiro. Há mais de três anos, quando decidi criar meu pensamento guia foi: se for para me expôr na internet vai ser unicamente para ganhar dinheiro. E assim fiz.

Fiz muito look do dia que não acreditava, sempre tentando dar o máximo da minha personalidade na composição para ficar o menos artificial possível mas mesmo assim não acreditava 100%.

Coloquei muito salto alto que não uso, muito cílio postiço que não faz parte da minha vida e criei um personagem. No começo eu levava numa boa, tinha o “horário de trabalho”, cumpria e ok. Mas, quem trabalha com blog sabe, é muita doação, muita exposição e eu passei a não me sentir bem com tudo aquilo.

Foi por causa do blog que conheci pessoas  e marcas incríveis, consegui sair da casa dos meus pais, pagar contas, experimentar um pouco de independência. Foi por causa do blog que me conheci e me interessei por assuntos como cool hunting, arte, fotografia e  comecei a explorar esses meus outros lados.

Mesmo conquistando várias coisas legais através do desafetada eu não estava mais afim de ficar insistindo que as pessoas olhassem, comprassem, desejassem, produtos com os quais nem eu acreditava. Aproveitei a oportunidade de trabalhar no backstage da vida e quando menos percebi consegui abrir mão daqui.

Larguei.

Nunca mais atualizei.

Me mudei.

Sempre pensei no que é que isso tinha se tornado. Se por um lado eu vejo como uma máquina de propaganda da qual me envergonho do outro lado eu vejo uma série de pessoas maravilhosas que me conectei através daqui. Mas eu não vou voltar pra ca. Quero minha vida de volta, curtir os momentos, fotografar com emoção, com calma, quero tirar o celular da mão, essa mania de registrar tudo ao vivo.

Slow down bitch

E passaram-se meses e meses e eu juro que estou do lado de cá todos os dias pensando como é que eu ia trazer o blog de volta pra minha vida sem que ela fosse inteiramente consumida. Foi junto do processo de Coach que tô fazendo com a Tássia (importantíssimo por sinal) que descobri meus valores e como a maneira que eu havia criado o personagem desafetada estava passando por cima do meu valor mais importante: o conforto.

Hoje estou aqui pra contar o que resolvi fazer:

Comecei reduzindo minhas redes sociais, eliminei as que não me familiarizava e que eu sentia que não funcionavam. A primeira foi o facebook pois é na minha opinião a mídia mais chata e cara de se usar, impulsionei tanta coisa errado no comecinho do blog que trouxe um público que não se comunicava comigo, eliminei.

A segunda foi youtube pq tutorial de maquiagem… sabe gente? Nada contra quem faz mas essa pessoa não sou eu. Se eu passo maquiagem na vida real é tipo 10 dias por ano. Depois, video de filmagem também é foda. Perde-se muito tempo fazendo, filmando, editando e ZERO curtindo. Tô fora.

Vou me reduzir ao pinterest com painéis de inspiração, ao instagram onde já ando brincando e ao medium onde vou falar falar falar o que quiser pois não vai mais ser no feed do face dos outros que vou soltar minhas asneiras. O site não vai continuar no ar pra que eu possa postar selfie ou foto de gatinha, vou postar um look do dia quando sentir vontade, quando ele for verdadeiro. Sabe o que é ser verdadeiro pra mim? É aquele dia que vc ta realmente com a roupa, vc realmente tirou uma foto natural e espontânea que vc ache relevante e interessante o suficiente para postar e ter o que falar. Todo dia eu uso roupa, não vai ser todo dia que vou postar.

Outro fator para reduzir o número de redes foi: eu não consigo administra-las e já deixei muita gente no vácuo e isso me gera um sentimento de descontrole horrível. Tô fora de tumulto gente.

Quero vir aqui no blog quando eu quiser e convido você a fazer o mesmo.

caguei pra número, estatística, postagens diárias para garantir o leitor nas contagens de fim do mês.

caguei por fazer da minha vida um show artificial só pra ganhar dinheiro.

Tô afim de de “abrir a boca” realmente só quando eu acreditar. Desculpa a cagação de regra e os close errado quando dados.

Eu já deveria ter feito isso a muito tempo…

Gratidão por todos que passaram por aqui, principalmente pelas colaborações.

Espero fazer algo útil.

Sincerão,

<3